.

.
Página de doutrina Batista-Calvinista. Cremos na inspiração divina, na inerrância e infalibilidade das Escrituras Sagradas; e de que Deus se manifestou em plenitude no seu Filho Amado Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador, o qual é a Segunda Pessoa da Tri-unidade Santa
CLIQUE, NO TÍTULO DE CADA UMA DAS POSTAGENS, PARA ACESSAR O ÁUDIO DO SERMÃO OU ESTUDO

sábado, 31 de agosto de 2013

Estudo sobre a Confissão de Fé Batista de 1689 - Aula 51: Objeções ao sustento pastoral


Por Jorge Fernandes Isah


Analisemos alguns questionamentos comumente formulados pelos defensores da não autoridade pastoral e do não-sustento pastoral que, via de regra, fazem variações do mesmo tema, resumido-o em três perguntas/afirmações, as quais encontram-se numeradas e entre "aspas":

1) "Apenas os Levitas tinham o direito de serem sustentados pelo restante do povo de Israel, porque a tribo de Levi, na qual estavam todos os levitas, não receberam parte da terra de Israel, dada por Deus. Logo, eles não tinham onde plantar, caçar, etc, especialmente porque ficavam por conta dos cuidados no Templo. Como não há mais levitas, desde a època apostólica, não há porque sustentar qualquer ministério em nossos dias. Esse padrão foi extinto, e não houve continuidade na igreja primitiva".

Resposta: 1Co 9:1-16:
Interessante como Paulo se utiliza de vários princípios do Antigo Testamento para validar o sustento do seu ministério. Ao contrário daqueles que fazem uma "separação" entre o AT e o NT, Paulo fundamenta-se e se baseia no AT para validar um princípio que era negligenciado pela Igreja de Corinto, o desprezo que tinham para com ele e Barnabé, de forma que eles, corintios sustentavam os demais apóstolos [ao menos é o que parece afirmar o apóstolo, no verso 12], excluindo-o. Justamente ele que foi quem plantou aquela igreja, discipulou-a, e contribuiu como nenhum outro para o seu crescimento. Portanto, essa ideia de que os Testamentos, em algum sentido, se anulam, é falsa e equivocada, pois o próprio Paulo se encarrega de lançar por terra essa distorção ao fazer uso do AT para defender-se diante dos corintios como alguém que também era merecedor do seu cuidado e do zelo.

2) "Paulo diz que ele tinha o direito de ser sustentado, mas de que abriu mão desse direito, portanto, o ministro do evangelho também deve fazê-lo".

Resposta: Mais do que simplesmente negar o auxílio que porventura os corintios pudessem dar-lhe, Paulo diz que a negligência deles para com ele não o impediu de continuar pregando, discipulando e encaminhando-os nas santas veredas de Cristo, pois Deus havia suprido as suas necessidades através de outras igrejas. Paulo novamente confirma que o seu ministério é tão apostólico como o dos demais apóstolos, e a prova era de que Deus havia suprido as suas necessidades por mãos de outros irmãos [V. 9-10]. Ele assevera ainda mais fortemente essa questão após citar Dt 25.4, dizendo que o referido verso fala exatamente deles, e por causa deles foi escrito. Ora, o fato de Paulo abrir mão desse direito, e temos que ele o faz para não pôr impedimento ao seu ministério junto aos corintios [v.12], anula o dever da igreja de sustentá-los? Certamente que não, e é sobre isso que o apóstolo disserta, levando a igreja a refletir: "Se nós vos semeamos as coisas espirituais, será muito que de vós recolhamos as carnais?" [V 11]. Entendo que a irrefutabilidade desse questionamento, em si mesma, é mais do que suficiente para anular qualquer afirmação de que a igreja não tem o dever de sustentar o seu pastor. 

3) "O ministério pastoral é espiritual e não pode ser comparado a um trabalho assalariado, como se Deus tivesse empregados e a igreja fosse uma empresa".

Resposta: A tolice de tal afirmação é tão gritante, e reivindica uma alta espiritualidade que, contudo, não passa de uma apelativa falsa espiritualidade, na qual os seus proponentes não se enquadram, no de serem espiritualmente elevados e prescindirem o próprio sustento, mas de, por não serem capacitados ao ministério, desejar que os ministros vivam de "vento", como a minha avó dizia. Pois bem, Paulo, talvez apercebendo-se de que alguém poderia questioná-lo da mesma forma, já lançou o seu veredito sobre os que assim pensam: se lhe damos as coisas espirituais, não podemos tomar-lhes as carnais? Ora, o que é mais importante? O dinheiro guardado em um cofre, na carteira, despendido com gastos muitas vezes supérfluos, ou usá-lo na propagação do evangelho, no trabalho do discipulado, nos meios necessários para que a mensagem de Cristo se espalhe pelo mundo? Ou seja, o que sou incapaz de fazer, que não tenho por dom, não me impede contudo de poder ajudar aos que o tem, e assim também sou participante na difusão do evangelho. Paulo diz que o fato dos corintios não o sustentarem, e a Barnabé, não tem implicações pecuniárias, visto que sustentavam outros ministros, mas por desprezarem-no; eles não consideravam o trabalho de Paulo digno de ser mantido, conservado, estimulado. A origem do não sustento da igreja de Corinto baseava-se no fato de que o ministério de Paulo, para eles, era sem importância, o que os tornava ainda mais culpados diante do apóstolo e de Deus, agora por ingratidão. Não era questão financeira, pois os coríntios sustentavam a outros, em detrimento daquele que plantou a igreja entre eles, mas sobretudo os amava e continuava a guiá-los nos santos caminhos de Cristo.

Paulo sentencia no verso 14, "assim ordenou também o Senhor aos que anunciam o Evangelho, que vivam do evangelho". Primeiramente, Paulo cita a Cristo, o próprio Senhor, o qual ordenou: " Digno é obreiro do seu salário" [Mt 10.10, Lc 10.7].

É possível abstrair daqui uma série de conceitos, e há aqueles que dirão que a palavra "vivam" não tem relação material, mas apenas espiritual. Bem, qualquer um que não experimentou somente o viver imaterial não pode defender tamanha sandice. O homem é um ser completo, total, e suprimir a parte material dele dizendo que o evangelho, em si mesmo, será capaz de alimentá-lo e vesti-lo, por exemplo, sem que alguém disponha de recursos para isso, é teoria das trevas, planejada no inferno, para destruir não somente a igreja, mas a autoridade de Cristo e da sua palavra. 

Por fim, penso que aquele que não dizima nem se preocupa com o sustento do ministério do seu pastor ou de outros obreiros na proclamação do Evangelho não ama verdadeiramente a igreja, nem Cristo, pois ele morreu por ela, e mais ninguém. 

Assim como ao final do estudo sobre o dízimo, que será a próxima pauta destes estudos, gostaria de perguntar: Por que não dizimar? 

Essa é uma questão que não se cala...

Notas: 1 - No áudio, desta aula, entra-se um melhor desenvolvimento da questão, e outras implicações são nele abordados;
2 - Aula realizada na EBD do Tabernáculo Batista Bíblico;
3 - Baixe esta aula em aula 47c.mp3

sábado, 24 de agosto de 2013

Estudo sobre a Confissão de Fé Batista de 1689 - Aula 50: Objeções à autoridade pastoral


Por Jorge Fernandes Isah



O sustento pastoral não é reconhecido, por muitos cristãos, como consequência de outra negação: a autoridade pastoral. Muitos grupos, e isso cada vez mais tem sido difundido entre os cristãos, se opõem à liderança ministerial, à autoridade pastoral, como se fosse algo antibíblico, uma heresia, e fruto apenas do desejo humano de distorcer e corromper o verdadeiro ensino da Bíblia. Para tanto, utilizando dessa falsa premissa, eles distorcem e interpretam versículos bíblicos que claramente afirmam o contrário. É um exercício de "destruição", de alteração, daquilo que Deus nos comunicou. Muitos argumentos são simplórios, alguns até mesmo risíveis se não fossem tão trágicos, com o nítido interesse de acomodar o pensamento divino ao seu. Interessante que todos eles desprezam a igreja, no seu sentido milenar, no que se contradizem, pois utilizam-se do ensino de outros tantos para justificar suas propostas. Dizem que apenas Cristo é o líder da igreja, que se deve ouvir apenas e somente a ele, que toda a tradição da igreja está equivocada, repleta de paganismo, romanismo e carnalidade quando, para ratificar os seus argumentos, se utilizam da mesma história e de homens históricos, muitos dos quais não escondiam o seu ódio pela igreja. Com isso, penso que há um grave e sério conflito, pois se dezenas de séculos não podem ser usados como validação de doutrinas caras à fé cristã, por que um ou dois podem ser a base da argumentação anti-eclesiástica?

Veja bem, não estou dizendo que toda tradição é válida, não é essa a questão. Mas se o argumento da tradição é descartado por eles como "coisa de homens", por que o que é dito por alguns homens, num período muito mais próximo de nós, deve ser considerado? No fundo, muito de tudo isso que se vê tem por objetivo alcançar as seguintes metas:


1) Desacreditar a Bíblia, como a palavra de Deus infalível, inerrante e divinamente inspirada;

e
2) Desacreditar o próprio Deus.


Há exemplos em profusão nos seus escritos que remetem a ambos os objetivos. Ainda que não sejam claramente expressos, eles encontram-se subliminarmente presentes em suas descrições, e veladamente maquiados à guisa de santidade. Porém, há absurdo ainda maior: são os únicos que conhecem a Deus e portanto exclusivamente aqueles que podem falar em seu nome. Chegam a proferir verdadeiras blasfêmias, acintosamente, como se saídas da boca divina. Na verdade a confusão em que se metem é reflexo de quão incompreensível Deus lhes é. Contudo, sabemos que Deus não é Deus de confusão, e o que eles se prestam é ao papel de destruir a fé cristã quando pensam reescrevê-la. Mas, por mão de quem? É-se possível reescrever o Cristianismo, com todos os seus acertos e erros, sem dizer que ele nunca existiu? E que somente agora alguns iluminados perceberam o que ele foi, e o ressuscitaram? Para isso têm de tornar toda a fé cristã em cinzas, e pensam construir algo a partir delas, sendo que são incapazes de colocar um tijolo que seja sobre o fundamento que já está posto, Cristo. O que acaba por torná-los em construtores de highways que desembocam diretamente no inferno, as quais eles e seus seguidores percorrem insanamente.


É uma vergonha o que está sendo proposto por esse grupo, e chego a dizer que é um descalabro; e de que são os tais lobos cruéis aos quais Paulo se referiu em Atos 17.


Mas para não dizer que estou sendo injusto, e de que não apresento provas do que eles propõem, analisemos alguns trechos. Primeiro, falemos da autoridade pastoral. Eles argumentam:


"A distinção antibíblica clero/leigo tem causado tremendos danos ao Corpo de Cristo. Tal distinção prova uma ruptura na comunidade dos crentes por classificá-los como cristãos de primeira e de segunda classe. A mentira de que alguns cristãos são mais privilegiados do que outros quanto a servi ao Senhor"[1].

É mesmo, cara-pálida? Aponte-me quais são os tremendos danos ao Corpo de Cristo! Descreva-os, dizendo o porquê de serem danosos. E, primeiramente, defina o que é o Corpo de Cristo. As inferências do autor são meramente especulativas, sem respaldo, e sem descrever detalhadamente como ocorrem. Nada além de um ataque gratuito, sem base bíblica e sem factualidade. Palavreado inócuo capaz de seduzir os ouvidos moucas da verdade, levando-os ao mais sórdido sofisma. Uma ideia que saiu da sua mente candongueira e que encontra acolhida entre muitos outros descabeçados e mexeriqueiros.


As objeções que se seguem, são formuladas a partir de uma distorção, de uma falsa premissa, de que todo pastor ou líder, por natureza, é um salafrário, um bandido, desonesto e, quase, o anticristo. E nada bíblicas, pois partem de inferências humanas e não do texto revelado.

a) "Mas essa distinção entre líderes e comandados não causa ruptura entre a comunidade dos crentes, colocando uns como cristãos de primeira linha e os demais como de segunda linha?"

A pergunta já é formulada de forma capciosa, com a intenção de levar ao engano e levantar a discussão a partir de uma falsa asserção, de que na igreja há líderes e comandados, como se ela fosse uma instituição militar ou corporativa. Não é difícil de entender o que pretendem, pois a igreja muitas vezes é comparada a um exército, formada por soldados que lutam pela verdade e defendem a fé cristã. É também sabido que Deus instituiu lideres na sua igreja, mas que a sua estrutura nada pode ser comparada, em sua essência e forma, a qualquer instituição secular. Nem de longe uma igreja bíblica pode ser igualada a qualquer outro organismo privado ou público. O fato é que está implícito na pergunta a ideia de que um pequeno grupo domina e controla uma maioria que lhe é subserviente. Apelando para o orgulho e individualismo cada vez mais acentuado nas últimas gerações, a ideia é demonstrar que qualquer irmão que se submeta à autoridade eclesiástica não passa de um banana, um capacho, desprezível, um tolo a serviço dos interesses de uma minoria desonesta e opressora. Temos aqui o espírito revolucionário, provavelmente o mesmo que levou satanás a insurgir-se nos céus, e Adão e Eva a caírem no Éden.

E, o que vem a ser cristãos de primeira e segunda linha? Ou o objetivo não é demonstrar que todo aquele que não está em posição de liderança é um reles subalterno? A pergunta, em si mesma, já leva à conclusão equivocada e fraudulenta de que há dois grupos distintos na igreja, e de que eles são antagônicos, quando na verdade a insinuação é apenas fruto da malícia e do dualismo que o diabo sempre tentou impingir ao corpo local [e, por muitas vezes, atingiu o seu intento].

A própria imagem em que Paulo remete a igreja, de que ela é um corpo, seria suficiente para destruir esse argumento falacioso. Por isso ele diz que, ainda que nem todos sejam pés ou mãos ou orelhas ou nariz [mostrando a diversidade dos dons que Deus deu à igreja], ainda assim todos fazem parte do corpo, de forma que sem um deles, por mais fraco que pareça, nenhum é desprezado, e todos são necessários, ao ponto em que diz: "e os que reputamos serem menos honrosos no corpo, a esses honramos muito mais; e aos que em nós são menos decorosos damos muito mais honra... para que não haja divisão no corpo, mas antes tenham os membros igual cuidados uns dos outros" [1Co 12.12-25].

Portanto, na igreja, todos são irmãos, cada um cumprindo o dom que Deus lhes deu, cada um sujeitando-se ao outro, cuidado do outro, auxiliando-o, para que todos sejam um em Cristo, e o primeiro ou maior seja o derradeiro e o menor de todos e o servo de todos; se o modelo é diferente, essa igreja não é bíblica nem obediente aos preceitos divinos, e cabe a toda a igreja entender que o cristão, seja em qual posição esteja, tem de ter em mente que o mais importante é servir a Deus e ao próximo; sabendo que o nosso inimigo não está no corpo, mas fora dele. Logo, o argumento de que há uma ruptura, separação entre líderes e os demais irmãos é mentirosa e, travestida de piedade, produz apenas a má-fé, o dolo e a permanente morte.

Interessante que o apóstolo Paulo, em Atos 20.28, alerta os bispos de Éfeso para que olhem "por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com o seu próprio sangue", evidenciando a autoridade que Deus estabeleceu a alguns irmãos, cuja principal missão é o de cuidar dos demais e de si mesmos. Ainda que ele profetizou em relação ao que sobreviria sobre aquela igreja, no futuro, em momento algum ele cogitou desfazer a sua estrutura, pensando: se a coisa toda nem sempre funcionará como deve, por que não substituí-la por outra? Portanto, qualquer pensamento que vise a mudança da ordem estabelecida por Deus implicará em rebelião, em pecado, para aqueles que assim pensarem ou agirem, mesmo que seja fruto da ignorância, mesmo que seja fruto da indução, pois elas, e ainda outras, apenas revelam a carnalidade com que parte dos cristãos não compreendem nem entendem a realidade cristã, buscando uma "segunda" realidade à margem e ao largo da revelação divina.

Infelizmente, esse grupo, o qual se julga cristão, especializou-se em outro tipo de "cristianismo", no qual um membro diz ao outro: Não tenho necessidade de vós [1Co 12.21]; e, se isso não é desprezo ou soberba, poucas outras coisas o podem ser. 

b) "O ofício pastoral rouba do crente o direito de funcionar como membro do Corpo de Cristo, tornando-o em um mero espectador?"

Pergunto: onde está o erro? No ministério instituído por Deus ou no fato de alguns homens o corromperem? É possível, ao cristão, ser um mero espectador?

Há igrejas que se enquadrem nesse padrão moderno de "culto-espetáculo" ou "show-gospel", em que os artistas vão à frente e realizam uma apresentação para uma assistência sempre passiva, pois aplausos, gritos, urros e pulos não a tornam ativa como igreja, nem a fazem igreja, mas apenas em um auditório barulhento. Mas, pegar como exemplo um tipo de igreja que não é bíblico e usá-lo como padrão para toda a igreja não é honesto, antes é uma generalização infantil, burra e ofensiva.

Na vida cristã, assim como o culto cristão, o crente assume o papel de obreiro, de trabalhador, de alguém que se dedica ao evangelho, tratando-o com cuidado, zelo, como um agricultor cuida da seara, lavrando, semeando, adubando, irrigando, colhendo, significando uma vida ativa. Com isso não quero dizer que o silêncio ou o fato de sermos ouvintes, enquanto na escola dominical ou no culto, nos torna em espectadores, pois o Espírito Santo está ativamente agindo em nossa mente e coração, nos ensinando, instruindo e levando-nos à reflexão sobre os propósitos divinos e seus desdobramentos no meio do seu povo. E isso, ainda que possa ser chamado de uma atitude passiva, em nada se assemelha com ela, pois através da meditação sincera na palavra abandona-se o estado de lassidão, de relaxamento e distanciamento de Deus, para a proximidade com ele, em que Cristo vai-se formando, e tornamo-nos cada vez mais santos, assim como ele é santo. É a ação irresistível do Espírito na qual somos regenerados da pecaminosidade ativa, que nos mantém adormecidos para Deus, para a santificação ativa, em que somos despertados para ele [e por ele] e a necessidade de servi-lo, realizando a sua obra. Então, como um cristão pode ser passivo? [Jo 4:35-41; 2Co 5:15-20].

c) "A liderança humana, seja pastor ou bispo, rivaliza com Cristo? No sentido de que o pastor desloca e suprime a direção de Cristo? No sentido de que, o propósito eterno de Deus é impedido pelo ministério pastoral?"

Este é provavelmente o maior de todos os absurdos dito por esse grupo. De que a liderança humana pode, em algum momento, se igualar ou exceder à liderança de Cristo. De que pastores e bispos podem ser "a cabeça" ao invés de Cristo. De que há competição, disputa, entre a liderança humana e a de Cristo. Isso é de uma infantilidade, e também de um descaramento tão grande, que somente uma mente completamente distorcida e que odeia o evangelho pode produzi-la. Veja bem, o próprio fato de comparar qualquer homem com Cristo já é um acinte, um absurdo. Ao dizer que um líder, seja ele quem for, pode competir com Cristo, igualá-lo ou mesmo superá-lo [e este é o significado de "rivalizar"] faz de Cristo, no mínimo, um cabeça débil. Nada nem ninguém rivaliza com Cristo; nada nem ninguém pode obstrui-lo. Ele é o Filho eterno e supremo. A ideia, que acabam por transmitir, é a de que Cristo não é suficientemente soberano ou poderoso, e de que os seus intentos podem ser anulados ou impedidos pela vontade e ação de homens; eles querem enfraquecê-lo, desacreditá-lo, por meio de comparações estúpidas e ilícitas. O princípio da pergunta já é, em si mesmo, à luz da Escritura, autor-refutável. E a sequência a torna ainda pior. Como alguém pode deslocar ou suprimir a direção de Cristo? O que, em linhas gerais, eles querem novamente afirmar é a fragilidade que pensam Cristo possuir, mas já que ele é o Senhor, Soberano, cujo poder controla tudo e todas as coisas, sem o qual nada veio a existir, podemos aludir a um completo desconhecimento, pois não sabem nem têm noção ou reconhecem os méritos de quem falam. Então, como alguém pode resisti-lo ou deslocar o seu senhorio? Seria o mesmo que dizer que, pelo desejo de alguém, ele deixasse de ser Deus ou estivesse impedido de sê-lo. Se essa não é uma heresia, assim como o teístas relacionais a proclama com sua aparente piedade, o que é?

O intuito não é outro senão tentar ferir a soberania divina e colocá-la em xeque diante do poder humano. E esse homem seria tão poderoso a ponto de impedir o eterno propósito de Deus. Há uma nítida e evidente exaltação do homem comum, e a inferiorização do homem perfeito. Vejam a que ponto, para defender o seu raciocínio doentio, eles descem cada vez mais baixo ao abismo da afronta e rebeldia a Deus. Ou seja, quanto mais distantes da verdade, mais mentiras são necessárias para conservá-la distante. E a única associação possível, visto o ministério pastoral ser instituído pelo próprio Deus, é apelar para a sua desqualificação afim de inabilitar os dons dados pelo Espírito.

Diante de toda a bobagem e infantilidade propagada por esses inimigos, o que mais salta aos olhos é o desprezo a Deus e à igreja. E o que temos já não são meninos inconstantes, como Paulo descreve em suas cartas [à despeito da autoridade que eles tanto atacam, mas tão intensamente buscam para si mesmos, como únicos juízes da igreja; algo que satanás, como acusador que é, faz de dia e de noite diante do trono de Deus], mas meninos birrentos e barulhentos que se arvoram em sábios, e ao se fazerem surdos à voz do evangelho, combatem-no com o que de pior a obstinação ao pecado pode produzir, de mais danoso e trágico para si mesmos e para os incautos que os seguem.

Mais detalhes, sobre o assunto, poderão ser ouvidos na segunda parte do áudio da aula.


Notas: 1- As inquirições, a partir de pressupostos falaciosos, apresentadas aqui podem ser encontradas nas quase 300 páginas do livro de Frank Viola , O paganismo cristão, e em postagens repetidas pelos seus asseclas web afora, um amontoado de baboseiras pretensamente históricas e exegéticas, dignas de risadas [e, penso, de trazer mais tristeza do que desdém].

2- Aula realizada na EBD do Tabernáculo Batista Bíblico
3- Baixe este áudio em Aula 47b - Autoridade Pastoral III.MP3

Estudo sobre a Confissão de Fé Batista de 1689 - Aula 49: Autoridade e sustento pastoral - parte 3




Por Jorge Fernandes Isah


Na semana passada, deixei dois textos para os irmãos meditarem a respeito do sustento pastoral mas, fazendo algumas pesquisas sobre o tema, cheguei à conclusão de que antes das pessoas objetarem o sustento elas objetam a autoridade pastoral e o próprio pastorado. Julguei melhor retornar ao tema e analisarmos as objeções que eles colocam, como, por exemplo, a de que a Bíblia, em momento nenhum, estabelece ou autoriza qualquer liderança na igreja. 

Na verdade, os pressupostos deles é que estão errados, pois partem do axioma de que não há liderança ou autoridade pastoral para, somente depois, irem às Escrituras, tomarem os versículos e darem toda uma interpretação diversa daquela que o texto enuncia; ao ponto de ensinarem que, quando a Bíblia fala que pastores, presbíteros e bispos devem ser honrados dentro da igreja, eles os colocam não como pertencentes a um corpo local, mas como homens que exercem este ministério em qualquer outro lugar, menos na igreja. É como se o pastor tivesse um chamado de Deus não para guiar o seu rebanho, mas para apenas e tão somente evangelizar os incrédulos, trazendo as ovelhas perdidas ao Evangelho e abandonando-as. 

O fato é que a própria Escritura designa uma função específica para aqueles que anunciam e preconizam as "Boas-Novas" aos perdidos, a qual é a de evangelista, e também a de missionário. É claro que essas funções ou ministérios se misturam, de forma que o pastor deve também evangelizar assim como o evangelista pode pastorear, mas é importante ter em mente que a função pastoral está voltada especificamente para o trabalho de apascentar e guiar o rebanho de Deus, ainda que o pastor o seja onde estiver.

Analisaremos alguns pontos da lista de objeções dos detratores do ministério pastoral, e deixaremos as objeções ao sustento pastoral para a próxima aula. 

A primeira colocação, que tem um caráter muito mais danoso e pérfido é o de incluírem o ministério pastoral no rol das heresias. Os irmãos sabem o que vem a ser heresia? Claro que sabem! Mas o significado da palavra heresia é escolha ou opção. No sentido teológico ela aponta para alguém que escolhe um desvio de doutrina ou algo que se opõe à verdade claramente revelada na Escritura; é uma visão equivocada, distorcida, corrompida daquilo que Deus revelou em sua palavra. Portanto, ao ver deles, quando uma igreja ou denominação [que em muitos casos o simples fato de ser igreja ou denominação já a torna em produto do anticristo ou diabólico] reconhece a liderança de um pastor, presbítero ou bispo, ela se enquadraria no grupo daqueles que desprezam a verdade, logo, é herética. O nível de ataque se revela frontalmente contra toda a igreja e toda a tradição da igreja e ao que a Bíblia revela. 

A primeira pergunta que eles não querem responder, e que responderemos, é: o que é um pastor?

É interessante notar que há uma verdadeira frente de ataque ao ministério pastoral por parte de grupos que odeiam toda e qualquer forma organizada de igreja. Eles chegam às raias da irresponsabilidade e da calúnia ao colocarem que a igreja não passa de uma tradição humana e, como tal, guiada por homens [não no sentido como a entendemos, formada por homens que são instrumentos de Deus na realização da sua obra], mas, ao assim procederem, querem dizer que não há nada divino nela, e se não há, a conclusão é lógica, o espírito da igreja tem a procedência maligna. Contudo, estranhamente, eles se apegam a escritos e ditos de homens que se organizam em grupos para defenderem suas ideias. Ora, por que a igreja milenar é um conceito falso, mas suas organizações muito mais recentes, cujos líderes são indivíduos que impõem, de certa forma, seus ensinamentos a outros homens, não é? Se igualmente formam um corpo de doutrina, e são doutrinados e doutrinadores? Uma pergunta que os líderes e seguidores desse movimento dos “sem-igrejas” não querem responder, um tanto por má-fé e orgulho e presunção, e outro tanto por ignorância mas também orgulho e presunção; porque os princípios que os norteiam são meramente especulativos, inferências, as quais não são moldadas pelo texto bíblico, mas tentam força-lo a calar-se no que diz e a dizer o que não diz. O que me leva a concluir que o espírito que os norteia não procede de Deus e tem origem no inimigo do homem, ao qual consideram um amigo, ainda que inconscientemente. 

Mais vergonhoso ainda é que as suas críticas partem exatamente da experiência, ou melhor, de um tipo de experiência fragmentada daquilo que veem na sociedade ou foi dito dela, daquilo que a falsa igreja se esmera em exibir, como se fosse a totalidade da igreja ou como se todas as experiências estivessem contidas nela. Criam um estereótipo no qual colocam todas as denominações e todas as organizações eclesiásticas como se fossem uma, numa espécie de unidade indistinguível. Desta forma, torna-se mais fácil associar os erros e desvios e pecados da falsa igreja e a doutrina espúria do falso evangelho como se fossem todas uma mesma concepção, guiadas pela mesma doutrina e motivação. É a arte de confundir para iludir, de espalhar uma mentira esperando que ela se torne verdade. Não dá para esquecer que a igreja é alvo do inimigo desde o princípio, e ele “levantou” muitos dos seus servos, e ainda os levanta, não para coibir o erro ou denunciá-lo [e muitos incautos se iludem com essa falsa piedade], mas para fazer parecer que toda a igreja está corrompida e que apenas alguns “iluminados” conhecem-na verdadeiramente e estão aptos a julgá-la. Mas, de onde vem a sua autoridade? Quem a outorgou?

Os ataques são autocontraditórios ao acusar-nos exatamente daquilo que eles mesmos fazem e não percebem fazer. Eles partem do princípio de uma autoridade, não investida por Deus, mas por cada um deles, uma autoridade ou muitas autoridades humanas, cujos pensamentos são endossados por um grupo cada vez maior de pessoas que não percebem estarem sendo fisgadas pela mesma rede que julgam denunciar: o grito em alto e bom som de que nenhuma liderança é bíblica, mas, afinal, como eles convivem com seus líderes? Ou apenas eles seriam bíblicos? 

Muitas de suas afirmações não são somente desrespeitosas e ofensivas, mas atentam à soberania de Deus, à autoridade de Deus sobre a igreja; e não poucos são unitaristas, combatendo a Trindade, de forma que fica evidente o propósito dos seus ataques à autoridade eclesiástica, o que é algo muito maior do que simplesmente aparenta ser: querem a desagregação da igreja e a demolição da fé cristã. Porque mantendo o homem afastado da igreja, que chances ele tem de estar próximo de Deus? [1]. Como o Senhor Jesus disse, éramos ovelhas sem pastor, sem direção, e é o que esses “cristãos” desejam perpetrar. 

Devemos notar que, apesar de haver uma pequena diferença entre os termos pastor, presbítero e bispo, em linhas gerais, a Bíblia os trata como aquele homem capacitado por Deus e designado pela igreja para cuidar, zelar, apascentar e proteger o rebanho do Senhor, buscando aquelas que se encontram desgarradas e trazendo-as para o aprisco, não abandonando-as, mas cuidado delas. Dentro deste contexto, a referência máxima do que significa “pastor” está em João 10, quando o Senhor se nomina "o bom pastor"; mas será o Senhor o único pastor? Será que Deus não instituiu na igreja homens que fossem responsáveis por preservar o seu ensinamento? Que guiassem o seu povo no Evangelho? E que guardassem a sã doutrina? Não há exemplos deles na Escritura?

Apontarei alguns versículos que tratam do tema, com uma pequena explicação. Quem desejar saber mais sobre o assunto, ouça o áudio desta aula, onde todos estes e outros pontos são abordados com maior exatidão. 


Em Ef 4.11, Paulo diz que Cristo deu “uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores”, para edificação do corpo. Ele deu à igreja pessoas as quais qualificou para o aperfeiçoamento e induzindo ao bem e à virtude os santos.

Atos 20.28: É Deus quem constitui os bispos para apascentar o rebanho de Deus;

1Tm 4.14: O presbítero ordenava, através da imposição de mãos, o ministro pastoral;

At. 14.23: Os anciãos eram eleitos pela igreja [assim como foi a igreja quem elegeu Matias para o lugar de Judas no apostolado];

At 16.4: Não somente os apóstolos, como querem parecer alguns, mas também os anciãos tinham a incumbência de estabelecer decretos e normas para as igrejas;

Tt 1.4: Os presbíteros eram estabelecidos de cidade em cidade;

Tt 1.5-9; 1Tm 3.1-10: Tinham de atender a certas qualidades para serem líderes na igreja, sem as quais, ninguém podia ser candidato ao episcopado.

Notas: [1] Com isso não estou afirmando que todos na igreja estão próximos de Deus. Sabemos que há o joio, e de que o joio foi semeado pelo inimigo, mas fora da igreja, como a Bíblia diz e já estudamos, o homem não está sob a proteção divina.
[2] Aula realizada na EBD do Tabernáculo Batista Bíblico.
[3] Baixe o áudio desta aula em   Aula 47b - Autoridade Pastoral III.MP3