.

.
Página de doutrina Batista-Calvinista. Cremos na inspiração divina, na inerrância e infalibilidade das Escrituras Sagradas; e de que Deus se manifestou em plenitude no seu Filho Amado Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador, o qual é a Segunda Pessoa da Tri-unidade Santa
CLIQUE, NO TÍTULO DE CADA UMA DAS POSTAGENS, PARA ACESSAR O ÁUDIO DO SERMÃO OU ESTUDO

sábado, 30 de agosto de 2008

O EVANGELHO DA GRAÇA

Pr. Luiz Carlos Tibúrcio

Continuando a pregação do último domingo, onde o versículo base é Mateus 9.35: "E percorria Jesus todas as cidades e aldeias, ensinando nas sinagogas deles, e pregando o evangelho do reino, e curando todas as enfermidades e moléstias entre o povo".
- Cristo prega o Evangelho do Reino, trazendo a todos as Boas Novas de salvação, de paz e de reconciliação com Deus.
Lucas 4.16-19: "E, chegando a Nazaré, onde fora criado, entrou num dia de sábado, segundo o seu costume, na sinagoga, e levantou-se para ler. E foi-lhe dado o livro do profeta Isaías; e, quando abriu o livro, achou o lugar em que estava escrito: O Espírito do Senhor é sobre mim, pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados do coração, a pregar liberdade aos cativos, e restauração da vista aos cegos, a pôr em liberdade os oprimidos, a anunciar o ano aceitável do Senhor".
- Cristo lê o Livro do profeta Isaías, o qual fala sobre o Ungido de Deus, o Messias, Aquele pelo qual Deus faria uma obra maravilhosa: evangelizar os povos, curar os quebrantados do coração, pregar liberdade aos cativos, dar visão aos cegos, libertar os oprimidos e anunciar o ano aceitável do Senhor. Ele lê as Escrituras, e elas citam-nO, revelando, detalhadamente, a obra a qual o Senhor faria quando de Sua vinda.
- Deus amou o Seu povo de tal maneira que deu o Seu Filho Unigênito para que todo aquele que nele crer não pereça mas tenha a vida eterna (Jo 3.16). Cristo veio para os que sofrem, para os perdidos, pecadores e inimigos de Deus.
"E, cerrando o livro, e tornando-o a dar ao ministro, assentou-se; e os olhos de todos na sinagoga estavam fitos nele. Então começou a dizer-lhes: Hoje se cumpriu esta Escritura em vossos ouvidos".
- O Senhor veio trazer as Boas Novas de paz, de reconciliação para os corações quebrados, passando por sofrimentos... distanciados da Palavra de Deus.
- Quando Cristo veio ao mundo, Ele aproximou-se dos mais desfavorecidos. Em oposição aos valores mundanos, Jesus cercou-se não dos poderosos, nem dos influentes e endinheirados, mas daqueles sem importância, os quais o mundo desprezava.
- Ele veio pregar o Reino, cujos valores não são os do mundo, ao contrário, são opostos, antagônicos ao mundo.
- Nos momentos mais difíceis, onde a esperança esvaiu-se, podemos clamar ao Senhor, sabendo que Ele nos ouve. Como o salmista diz: "O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã" (Sl 30.5). Cristo veio curar os quebrantados de coração. Libertar os presos pelas correntes do pecado, cativos aos grilhões de satanás. Cristo veio para livrar-nos, como disse: "Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres" (Jo 8.36).
- A paz só virá se houver esperança. Não se pode tê-la sem que haja esperança. E a esperança está em nosso Senhor, o qual veio estabelecer o Seu Reino, que nos assiste em nossas dificuldades, trazendo-nos a expectação de que todas as suas promessas se realizarão.
- Cristo dá vista aos cegos. Ele é quem abre os nossos olhos e nos revela as maravilhas da Palavra de Deus. Somente pelo Seu poder é que deixamos a cegueira, e vemos.
- O que nos oprime? As angústias, aflições, a incerteza pelo futuro, as pressões da vida... O homem construiu uma casa, veio a tempestade e a casa não caiu, porque estava construida sobre a Rocha. No Senhor, o qual é a Rocha, estando firmados n'Ele, ainda que tudo conspire contra nós, jamais cairemos, jamais seremos destruídos, porque Cristo é a nossa esperança; a esperança de que estamos guardados e sustentados em Suas mãos.
- O Reino de Deus é o tempo de perdão, quando Ele, em Sua graça e misericórdia, chama o pecador ao arrependimento, à reconciliar-se.
Mateus 9.6: "Ora, para que saibais que o Filho do homem tem na terra autoridade para perdoar pecados (disse então ao paralítico): Levanta-te, toma a tua cama, e vai para tua casa".
- O Senhor Jesus Cristo pode perdoar os pecados; e esta é a Boa Nova de perdão: absolve-nos de nossas ofensas, dos pecados que cometemos contra Ele, desfazendo a inimizade e rebeldia contra Deus, fazendo a paz (Ef. 2.15).
- Deus está disposto a perdoar qualquer pecado, por maior que seja, pois não há pecado nem ofensa que Ele não perdoe; por isso, Deus enviou o Seu Filho Amado para nos dar o perdão, a todo aquele arrependido que O reconhece como único Senhor e Salvador.
João 14.27: "Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou".
- Que conforto, que esperança em saber que temos paz em Cristo nosso Senhor. Ele veio para nos trazer o Seu Reino, o reino de paz e perdão; reconciliando-nos em Si mesmo.
Efésio 2.16: "E pela cruz reconciliar ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades".
- Os que serão de Deus, Ele os reconciliou matando a inimizade. A Sua obra perfeita nos é apresentada, onde Ele restaurará a paz com o homem.
- Para que houvesse a reconciliação com Deus, era necessário, primeiro, que recebessemos d'Ele o perdão pelas ofensas que cometemos.
- Deus, pela riqueza da Sua misericórdia e graça, enviou o Seu Filho Amado para que, por Ele, fossemos perdoados; não fazendo caso de nossas ofensas, de nossa inimizade, da desobediência e rebeldia para com Ele.
- Cristo não veio fazer uma obra que 'talvez' dê certo, não veio 'tentar' salvar o homem, nem esperar que 'aceitemos' a reconciliação. Ele veio realizar uma obra completa, a reconciliação definitiva, absoluta e eterna para com os Seus eleitos. A Sua obra é vitoriosa e não permite fracasso.
Mateus 18.11: "Porque o Filho do homem veio salvar o que se tinha perdido".
- Qual a esperança dos perdidos? Nenhuma! O que podiam fazer para se salvar? Nada! Algumas doutrinas afirmam que o homem pode voltar-se para Deus, que ele é capaz de se reconciliar com Deus. Mas a Palavra de Deus é claríssima: Ele veio salvar o que estava perdido! Ele não veio salvar o que estava 'quase' perdido, mas o que ESTAVA perdido.
- Nos estávamos perdidos neste mundo sem paz e sem Deus. Mas o Senhor Jesus veio para nos salvar, através do Evangelho da reconciliação e salvação.
Efésios 2.11: "Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus".
- Sois salvos! O tempo verbal não deixa dúvidas quanto à efetiva, completa e indubitável salvação. Poderíamos dizer: Pela graça fostes e estão salvos, e jamais se perderão, pois a salvação pertence a Deus (Jn 2.9).
João 5.24-25: "Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida. Em verdade, em verdade vos digo que vem a hora, e agora é, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus, e os que a ouvirem viverão".
- Pelo curso natural das coisas, nós passamos da vida para a morte; mas pela Palavra de Deus, passamos da morte para a vida!
- Cristo anuncia a salvação para os que ouvirem a Sua Palavra. Muitos dizem ouvir e aceitar as Escrituras, mas o seu coração está tão atormentado, a paz de Deus não penetrou neles; mas é fantástico quando o Senhor nos diz que os mortos ouvirão, e os que a ouvirem viverão.
- Ele nos apresenta o Evangelho da graça de Deus, o qual nos vivificou, nos fez vivos, quando estávamos mortos em nossas ofensas e pecados (Ef 2.1).
Lucas 1.30: "Disse-lhe, então, o anjo: Maria, não temas, porque achaste graça diante de Deus".
Lucas 4.22: "E todos lhe davam testemunho, e se maravilhavam das palavras de graça que saíam da sua boca; e diziam: Não é este o filho de José?".
- Cristo confortava os corações; proferindo palavras cheias de graça, de amor, de verdade, de sabedoria e paz que maravilhavam os que as ouviam, porque eram palavras provenientes de Deus.
- Maria foi escolhida por Deus para trazer ao mundo Aquele que nos daria a salvação. A graça de Deus não é dada por nenhum mérito próprio do agraciado, mas única e exclusivamente pela vontade de Deus àquele o qual Ele elege; é um favor imerecido àquele cujo único destino seria o castigo eterno.
João 1.14: "E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade".
João 1.16: "E todos nós recebemos também da sua plenitude, e graça por graça".
- Cristo derramou sobre nós graça sobre graça, favores sobre favores, amor sobre amor para que todos nós fóssemos cheios da Sua plenitude.
- O Evangelho do Reino de Deus é o evangelho da graça. Aproximadamente 154 vezes a palavra graça é citada na Bíblia, porque o Senhor nosso Deus é cheio de graça.
Atos 15.11: "Mas cremos que seremos salvos pela graça do Senhor Jesus Cristo, como eles também".
- Tanto o judeu como nós seremos salvos pela graça!
- Não adianta fazer uma obra para se alcançar a salvação, porque a salvação é pela graça.
Romanos 3.24: "Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus".
- Paulo mostra-nos claramente que a salvação e a justificação somente é possível pela graça de Deus, e jamais pelo valor ou mérito de atos humanos. Antes é a vontade de Deus, e não a vontade do homem.
Romanos 4.4: "Ora, àquele que faz qualquer obra não lhe é imputado o galardão segundo a graça, mas segundo a dívida".
- Alguns querem ser salvos pela graça e ao mesmo tempo fazer alguma obra para a salvação. Se eu mereço a salvação, então Deus não precisa me dar a Sua graça. Mas, se mereço a condenação (como todos nós, sem exceção, merecemos), Ele me dá a Sua graça e a Sua salvação, porque pela graça somos salvos!
Atos 18.27: "Querendo ele passar à Acaia, o animaram os irmãos, e escreveram aos discípulos que o recebessem; o qual, tendo chegado, aproveitou muito aos que pela graça criam".
- Somente pela graça de Deus podemos crer. Se Deus não tocar em nosso coração curando-o, jamais poderemos crer.
Romanos 5.18: "Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida".
- Bastou uma só ofensa (a de Adão no Éden) para que todos fossem condenados por um ato de justiça; mas pelo ato de justiça do Senhor Jesus Cristo na cruz do Calvário a graça veio sobre nós.
Romanos 6.15: "Pois que? Pecaremos porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? De modo nenhum".
- O fato de sermos salvos não nos dá o direito de pecar, pois somos ainda mais devedores de Deus pela Sua graça que nos remiu do que se fosse possível obter a salvação por algum mérito próprio.
Efésios 1.7: "Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça".
Efésios 2.7-8: "Para mostrar nos séculos vindouros as abundantes riquezas da sua graça pela sua benignidade para conosco em Cristo Jesus. Porque pela graça sois salvos".
- Os séculos vindouros mostrarão o quanto o Senhor nos encheu da Sua graça, pela Sua bondade para conoscos, nós que éramos seus inimigos, aqueles que O desprezavam e opunham-se ao Seu governo, vivendo dissolutamente, em pecado, praticando ofensas a Ele. Ainda assim, Ele enviou o Seu Filho Amado, Jesus Cristo, para livrar-nos da nossa sentença, dando-nos gratuitamente a Sua graça, salvando-nos e reconciliando-nos com Deus.
Porque pela graça fomos salvos, e isso não vem de nós, é dom de Deus, não vem das obras para que ninguém se glorie! (Ef. 2.8-9).

Reumo da mensagem pregada no T.B.B., em 17 Agosto de 2008
Todos os versículos são da Almeida Corrigida e Fiel da S. B. T. B. (ACF)

terça-feira, 26 de agosto de 2008

O EVANGELHO DO ARREPENDIMENTO

Pr. Luiz Carlos Tibúrcio

Mateus 9.35: "E percorria Jesus todas as cidades e aldeias, ensinando nas sinagogas deles, e pregando o evangelho do reino, e curando todas as enfermidades e moléstias entre o povo".
- O Senhor Jesus Cristo veio pregar o evangelho do Reino, trazer paz e salvação ao Seu povo, reconciliar-nos com Deus através da Sua graça, por meio do arrependimento.
- Cristo veio trazer-nos as Boas Novas do Reino de Deus, e as Boas Novas do arrependimento.
- É uma tendência que temos em fixar o nosso olhar no final do versículo, e ver o ministério do Senhor como apenas o ministério de cura; mas o fato principal é que Ele veio, fundamentalmente, trazer-nos a Sua graça, o Seu perdão, a restauração e arrependimento ao pecador.
- Cristo percorria todas as cidades, ensinando nas sinagogas e pregando o Evangelho do Reino. A proclamação da Palavra de Deus é para todos os povos, e para todas as pessoas, sem distinção. Este é o anúncio que Ele tem para todos, as Boas Novas do Reino, o Evangelho do Reino.
- A Palavra é muitas vezes pregada como um convite para se chegar ao Céu: "Venha para Jesus e vá para o Céu!". Queremos o Céu porque estamos preocupados com a morte, pois sabemos que morreremos. Nós vamos morrer, não importa a hora, nem o dia. Mas no Reino do Senhor não haverá doença, nem tristeza, nem aflição, nem a morte!
- O Evangelho é pregado como um convite, da seguinte forma: "Olha venha para Jesus, pois Ele lhe dará uma morada no Céu. Aceite Jesus e viva eternamente no Céu".
- As moradas são para serem habitadas; ninguém constroe uma morada para que ela fique deserta. Por isso, o Senhor disse: "Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar" (Jo 14.1-2). Mas a pregação de Cristo e dos Seus discípulos não é uma pregação para se chegar ao Céu, mas a pregação do Evangelho é a de reconciliação com Deus, que o pecador seja restaurado.
- O Evangelho é o chamado de Deus para que o homem, o qual está morto em suas iniquidades, separado d'Ele, reconcilie-se com o seu Senhor. E para que isso aconteça é necessário que o pecador arrependa-se, e então, receba o perdão divino.
Lucas 3.8: "Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento, e não comeceis a dizer em vós mesmos: Temos Abraão por pai; porque eu vos digo que até destas pedras pode Deus suscitar filhos a Abraão".
- João o Batista está pregando o Evangelho do Reino. Os religiosos da época aproximaram-se dele dizendo-se filhos de Abraão, os filhos da promessa. Porém, João está-lhes dizendo: Não digam isso! Produzi pois frutos de arrependimento.
O Evangelho nos é dado para que consideremos em tudo a Verdade de Deus.
Lucas 5.32: "Eu não vim chamar os justos, mas, sim, os pecadores, ao arrependimento".
- Eu não sei quanto aos irmãos, mas este versículo traz um conforto ao meu coração, pois sei quem sou: um mísero pecador, imperfeito. João lhes dizia mais ou menos o seguinte: Parem de dizer o que vocês julgam ser, mas produzi frutos dignos de arrependimento. Porque a árvore boa da frutos bons, a árvore má dá frutos maus, e cada árvore se conhece pelos frutos que produz, segundo a sua natureza, e é chegada a hora de que vocês produzam um fruto: o de arrependimento.
- O Evangelho que tem sido pregado é o "venha para o Céu". Mas o Evangelho verdadeiro a ser pregado é o "reconciliai-vos com Deus e Ele se apiedará de vós".
- Cristo não veio chamar os justos, e graças a Deus por Ele ter vindo nos chamar, nós, pecadores. - O Evangelho nos diz para darmos frutos de arrependimento, não nos enganando com falsas justificativas, nem falsas promessas, acreditando que é possível obter a reconciliação com Deus, e sermos perdoados e salvos por mérito próprio.
Lucas 24.47: "E em seu nome se pregasse o arrependimento e a remissão dos pecados, em todas as nações, começando por Jerusalém".
- Arrependimento é completamente diferente de remorço ou a sensação de culpa, o medo por um castigo.
- O Senhor Jesus Cristo nos chama para algo muito maior, o qual é uma vida de relacionamento com Deus.
- Há uma obra a se realizar em nossas vidas por Deus, antes de nos reconciliarmos com Ele; uma obra que Ele produzirá em nós antes de irmos ao Céu: os frutos de arrependimento! Os quais nos mostrarão o quanto estamos distantes do Senhor; o quanto Ele é bom e compassivo; o quanto é misericordioso e longânimo para com nossos pecados e faltas.
Atos 5.31: "Deus com a sua destra o elevou a Príncipe e Salvador, para dar a Israel o arrependimento e a remissão dos pecados".
- Cristo foi elevado por Deus para dar arrependimento e a remissão dos pecados a Israel. Portanto, Deus é quem nos dá o arrependimento; é somente Ele quem nos dá o verdadeiro e genuino arrependimento.
- Enganosamente, acreditamos que somos merecedores da graça de Deus, acreditamos que somos injustiçados quando não recebemos aquilo que julgamos merecer, ou quando passamos por lutas e dificuldades, as quais igualmente julgamos não merecer.
- O Senhor veio para ser Príncipe e Salvador, e dar-nos arrependimento.
Atos 26.20: "Antes anunciei primeiramente aos que estão em Damasco e em Jerusalém, e por toda a terra da Judéia, e aos gentios, que se emendassem e se convertessem a Deus, fazendo obras dignas de arrependimento".
- O mesmo chamado que Deus tem para os judeus é o mesmo chamado que tem para os gentios; e os gentios são aqueles que não são judeus. É um só chamado para que todos se emendem, para que não insistam na prática ou práticas que desagradam e são abomináveis ao Senhor.

- Converter a Deus é voltar do caminho que nos mantém longe d'Ele. É abandonar o caminho que nos conserva em rebelião e oposição a Deus, é voltarmos para Deus, quedando-nos aos Seus pés submissos.
- Antes de habitarmos nas mansões celestiais é necessário que nos reconciliemos com o Senhor, e voltemo-nos para Ele.
- De quê eu preciso me arrepender?
2 Coríntios 7.10: "Porque a tristeza segundo Deus opera arrependimento para a salvação, da qual ninguém se arrepende; mas a tristeza do mundo opera a morte".
- É maravilhoso quando, através das Sagradas Escrituras, eu me vejo descoberto diante do Senhor, porque a tristeza segundo Deus, causada pela Sua santa Palavra, a qual revela a minha iniquidade, a minha natureza caída, os meus pecados, opera vida em mim, pela revelação do Seu Filho Amado, Jesus Cristo nosso Senhor.
- Graças a Deus pelos que se angustiam e se entristecem quando são confrontados pela Sua Palavra. Porque chegará o dia em que então veremos o fim, e, talvez, nesse dia, não será mais possível o arrependimento, mas haverá um tempo de expectativa de condenação.
- Quando descubro na Palavra a vara da correção do Senhor, sei que Ele me ama. É um conforto saber que somos corrigidos por quem nos ama, ao contrário de o sermos por quem nos odeia.
2 Timóteo 2.25: "Instruindo com mansidão os que resistem, a ver se porventura Deus lhes dará arrependimento para conhecerem a verdade".
- Quando a Palavra nos traz tristeza e temor, podemos crer que Deus está operando em nosso coração os frutos de arrependimento.
- Paulo exorta Timóteo a ensinar a Palavra de Deus com mansidão, com paciência; porque, ainda que eles estejam resistindo à Palavra, ensine-os com amor para que Deus lhes dê o arrependimento, segundo a Sua vontade santa.
- Quando sinto a tristeza do meu pecado, e clamo ao Senhor por Sua misericórdia, Deus colocará em nossos corações os frutos verdadeiros.
- Ao pregarmos o arrependimento, parece que pregamos uma mensagem triste, ledo engano, pois pregamos uma mensagem alegre, de júbilo, a qual trará a restauração de nossas vidas, e a comunhão com Deus, através do Seu perdão em Cristo nosso Senhor.
Lucas 15.7: "Digo-vos que assim haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende, mais do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento".
- Sabe de uma coisa, o Céu é um lugar alegre, não apenas alegre, mas repleto de uma alegria verdadeira, porquanto o Céu é o lugar de perfeição.
- O salmista disse que tudo era limitado, as artes, as construções, as obras e feitos humanos, mas os mandamentos do Senhor são ilimitados, porque são perfeitos.
- Mas ainda que seja um lugar alegre, um lugar de felicidade, quando um pecador se arrepende há ainda muito mais alegria no Céu.
- Quando há um arrependimento e uma conversão verdadeira, essa pessoa está trazendo alegria ao lugar infinitamente perfeito e plenamente jubiloso.
- O salmista diz: quem é o homem para que o Senhor se lembre dele? (Sl 8.4). Podemos fazer uma analogia: quem é o homem para que Deus se alegre com ele? Mas sabemos, pela Palavra de Deus, que o Senhor se alegra com o arrependimento de um pecador.
Atos 11.18: "E, ouvindo estas coisas, apaziguaram-se, e glorificaram a Deus, dizendo: Na verdade até aos gentios deu Deus o arrependimento para a vida".
- Deus se alegra com o arrependimento do pecador, mas os cristãos também se alegram com isso.
- Há algo melhor do que o dia da nossa conversão? E ter o coração cheio da alegria de Deus? Há, sim, meus irmãos! Quando vemos alguém perdido, apartado de Deus, converter-se, dobrar os joelhos diante do Senhor e reconhecê-lO como único e suficiente salvador. Não existe alegria maior quando vemos um pecador arrependido, nascido de novo; que como nós estava sem a alegria do Céu, e agora tem a felicidade de Deus em seu coração.
- Esta é uma alegria que não pode ser comprada, nem obtida por nenhum esforço humano, mas somente ser recebida pela fé em Jesus Cristo nosso Senhor.
Romanos 2.4: "Ou desprezas tu as riquezas da sua benignidade, e paciência e longanimidade, ignorando que a benignidade de Deus te leva ao arrependimento?".
- Paulo fala firmemente que, o arrependimento é fruto da bondade de Deus. Mesmo quando transgredimos, o Senhor continua a nos alimentar, a nos dar saúde, cuidar dos nossos queridos, tudo por Sua imensa misericórdia.
- É o caso de Davi e Betseba. Confrotado pelo profeta Nathan diante do pecado de ter adulterado com Betseba, e ainda por cima, tramado e planejado a morte do marido dela, Urías, ele confessou: contra o Senhor pequei! Somente contra Ti pequei! E fiz mau à Sua vista (Sl 51.4).
- O favor de Deus nos leva ao arrependimento. Mesmo em nossas transgressões, Ele, em Sua misericórdia nos chama a um lugar de arrependimento, como fez com Davi; e como ele, nos chama ao lugar de arrependimento.
- Que bom seria se todos vivéssemos em paz. Mas, mais importante do que a paz neste mundo, é voltarmo-nos para Deus e reconciliarmo-nos com Ele, o qual nos criou, e mesmo em nossa rebeldia, tem cuidado de nós.
Voltando a Mateus 9.35:
- A primeira enfermidade e a maior moléstia que temos, a qual é necessário que Deus nos cure, é a nossa inimizade com Ele.
"Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento"!

Resumo da mensagem pregada no T.B.B., em 10.08.2008
Todos os versículos são da Almeida Corrigida e Fiel da S. B. T. B. (ACF)

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

CHAMADO AO ARREPENDIMENTO*

Pr. Júlio César de Salles

1) Miquéias: seu nome significa "Quem é semelhante a Jeová".
2) Profetizou em (742-703 a.c.), sendo contemporâneo de Isaías e Oséias. Compare: Mq 2:2-4, Is2: 2-4. Profetizou a Israel (Samaria) e Judá (Jerusalém).
3) Mq 1:1;14 - Morastita de Moreste Gate. Uma cidade fronteira com os filisteus e aparentemente insignificante.
4) Enquanto Isaías era profeta da cidade, Miquéias era profeta do campo. Neste maravilhoso livro da Bíblia encontramos a grande profecia messiânica (Mq 5:2).
5) Honrou seu nome declarando arrependimento a todas as regiões da antiga Palestina.
6) Um século depois, a vida do Profeta Jeremias foi salva por um apelo de seus amigos, citando Mq 3.12 (na ocasião em que estava sendo condenado à morte por pregar o evangelho de Deus) - Jr 26:17-19; nos ensinando que o chamado de Deus não é preso ao tempo. O próprio Senhor Jesus citou Mq. 7:6 em Mateus 10:35-36.
7) No capítulo 1 versículo 15, lemos que a glória de Israel chegaria até Adulão, o qual significa lugar da antiguidade; nos ensinando que o perdão de Deus cobre o nosso passado.
8) Este livro contém grandes partes introduzidas pela a palavra Ouvi:
Mq. 1:2; 3:1; 6:1-2. Temos Sl 18.44, onde nos ensina a estarmos prontos a obedecer à voz de Deus.
9) Mq 1:12-15 - Invasão assíria, em 732 a.c., ao reino do Norte (2Rs 17:1-18).
10) Ao reino do Sul a invasão assíria chegou às portas. Em 701a.c., Miquéias presenciou a queda do reino do Norte, e o grande milagre de Is 36-37, 2Rs 18 e 19; onde Deus não permitiu que os assírios invadissem Jerusalém.
11) Mq 1:16, nos mostra que a calva era símbolo de vergonha.
Em Lv 21.5; Dt 14.1; Ez 7.18; Am 8.10; significa também um ritual fúnebre, em que as nações gentílicas pranteavam os mortos. Israel não devia entristecer-se como as demais nações, as quais não tinham esperança (1Tes 4.13).
12) Vemos em Is 28:20; Mq 2:1, a urgência de se confessar os pecados (1Jo 1.9). Em Mq 7:7 somos exortados a desfrutamos as bênçãos do arrependimento (Mq 7:18-20).

* Esboço da mensagem pregada em 06 de Agosto de 2008, no T.B.B.

terça-feira, 19 de agosto de 2008

O QUE SERÁ DA SUA ALMA?

Pr. Luiz Carlos Tibúrcio

Há poder no nome do Senhor Jesus! Amém!
Atos 4.4: "Muitos, porém, dos que ouviram a palavra creram, e chegou o número desses homens a quase cinco mil". No livro de Atos, encontramos os discípulos do Senhor Jesus levando o Seu Evangelho aos povos através da pregação da Palavra. Em Atos 4.1, lemos: "E, estando eles falando ao povo...". O que não podemos nos furtar é a pregação da Palavra de Deus. Neste trecho, vemos os apóstolos pregando, ministrando o Evangelho a uma grande multidão. E dentre eles, quase cinco mil se converteram. Portanto, nós devemos pregar aos nossos amigos e conhecidos a Palavra de Deus, e também convidá-los a vir à Igreja ouvi-la.
Continuando em Atos 4.1: "E, estando eles falando ao povo, sobrevieram os sacerdotes, e o capitão do templo, e os saduceus". Enquanto houver a pregação do Evangelho, acontecerão algumas coisas, e entre elas, haverá a objeção; na pregação das Escrituras sempre haverá aqueles que se oporão a ela. Neste caso, os sacerdotes, os saduceus eram esses inimigos. Um fato interessante é que a palavra saduceu quer dizer justo. Eles não acreditavam na ressurreição do corpo, e assim, a vida para eles era aqui e agora. Eram iguais a muitos em nossos dias, pessoas inteligentíssimas que também não acreditam em uma vida eterna, mas apenas numa vida temporal, que se extinguirá após a morte. Eles desprezam a fé, crendo que tanto o céu como o inferno são aqui e agora, e que depende apenas de nós para tornarmos a vida um céu ou um inferno. Assim criam os saduceus. Para eles não havia anjos, nem espíritos, nem uma alma eterna. Contudo, eles acreditavam no livre-arbítrio, ou seja, você faz o que bem quiser da sua vida, você faz as suas próprias escolhas; a sua vida lhe pertence. E este era um dos seus erros, porque o homem é um escravo, ele não faz o que quer, pois o homem vai servir a Deus ou servir ao diabo. Mostre-me um homem no mundo, e se ele não serve a Deus é escravo de Satanás.
Muitos dizem: "Olha eu venero a Deus, tenho reverência por Ele, mas não quero ser um cristão bíblico, quero continuar do meu jeito, pois assim é que me sinto bem". Pois este homem que não quer servir a Deus é servo de Satanás, o qual não lhe pedirá jamais permissão para ser seu senhor, mas simplesmente ordena-lo-á à servidão.
Portanto, os cristãos devem obediência à Deus; fomos comprados pelo sangue do Senhor Jesus, e devemos glorificá-lo e honrá-lo com nossas vidas.
Paulo diz que se não há ressurreição, então devemos realmente aproveitar o máximo e viver a vida que temos: comer, beber e morrer. Mas em 1 Coríntios 15.52, o apóstolo nos diz: "porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados". Amém, irmãos! Por que a Palavra de Deus nos promete um Reino que será inabalável!
Recentemente, a irmã Cida cuidou de um garoto de 14 anos, um adolescente como os nossos filhos, que veio a falecer. E ela falou do amor de Cristo para ele, e ele aceitou o amor de Cristo, e partiru para a eternidade, onde juntamente com os filhos de Deus ele habitará no lugar onde não há morte, nem dor, nem sofrimento... estas são promessas do Senhor para as nossas vidas, e devemos nos regozijar com elas.
A Palavra de Deus nos diz que na ressurreição os nossos corpos serão transformados, que a nossa alma é imortal, e passaremos a eternidade junto d'Ele ou separado d'Ele para sempre. O céu ou o inferno será a nossa habitação.
E era a isso que os apostolos estavam conclamando aquelas pessoas, fazendo-lhes a seguinte pergunta: "O que será da sua alma?".
Versículo 2: "Doendo-se muito de que ensinassem o povo, e anunciassem em Jesus a ressurreição dentre os mortos". A Bíblia é precisa, profunda e revela-nos o sentimento dos sacerdotes, dos saduceus e do capitão, os quais estavam "doendo-se" de que o povo ouvisse o Evangelho de Cristo. Eles não estavam apenas incomodados, apenas perturbados, mas estavam doendo-se, num incomodo profundo. Satanás usou aqueles figurões do templo, a sua oposição para que o povo não ouvisse a Palavra de Deus, e não fosse salvo.
Veja, por exemplo, quanta dificuldade temos em vir à Igreja? De convidar alguém para ouvir a Palavra de Deus? De mesmo ouvir a Palavra? De lê-la? Como o tempo quase pára, como o culto é demorado, como tantas coisas nos distraem enquanto estamos aqui na Igreja. Satanás quer nos impedir de ouvir, quer impedir que o Evangelho seja pregado.
Aqueles homens estavam profundamente irritados com o Evangelho, com a sua proclamação pelos apóstolos. E os saduceus, homens justos, opunham-se a ele. Em Atos 17, Paulo, pregando aos atenienses, viu o quanto eles eram supersticiosos em relação a Deus, a ponto de edificar um altar ao "deus desconhecido", a honrar um deus que não conheciam. Pois é desse Deus que ele foi-lhes anunciar.
Em nossas vidas, quantas vezes somos mais zelosos e temerosos do Senhor quando estamos no engano, na fé errada. Sem citar religiões e denominações, quando não andávamos nos caminhos do Senhor éramos mais pontuais, mais caprichosos e cuidadosos em nossa religiosidade. Muitos se propõem a andar de joelhos em uma romaria, a esfolar e sangrar a carne, coisas que o Senhor não pediu nem exigiu de nós, mas fazem aquilo, ainda que na ignorância. E nós, que conhecemos a Sua Palavra, que sabemos o que Ele quer, somos negligentes e omissos com a Sua vontade expressa.
Então, aqueles religiosos são usados por Satanás para oporem-se a Deus. Quantas vezes um crente é um instrumento de oposição a Deus, na família, no trabalho, na igreja? O ferro com ferro se afia! Quando sirvo verdadeiramente ao Senhor, onde estiver, serei uma força usada por Deus; porque devemos nos fortalecer quanto mais vai chegando o Grande Dia! O crente fortalece outro crente, é vigor para outro crente, é como uma fogueira, onde o crente avigora outro crente.
Os apóstolos não estão ali realizando um show, nem se apresentando a fim de agradar jovens e adultos, não é uma apresentação teatral, nem uma exibição circense. Hoje, a idéia que se tem é a de que eu devo me sentir bem na igreja. E a Palavra de Deus nos diz que em mujitas vezes você não tem de se sentir bem na Igreja, por que as Escrituras sempre nos confrontará com o nosso pecado, com a nossa iniquidade, e estaremos diante da santidade, perfeição e justiça de Deus.
Atos 3.13: "O Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó, o Deus de nossos pais, glorificou a seu filho Jesus, a quem vós entregastes e perante a face de Pilatos negastes, tendo ele determinado que fosse solto". Pedro não está brincando, mas pregando. E como ele disse ao povo, o Deus de Abrão, de Isaque e de Jacó glorificou a seu filho Jesus; e é isso que devemos fazer. Se Deus glorificou algo, devemos também glorificá-lo, se Deus nos manda fazer, façamos, se não nos mandou fazer, não façamos. Se queremos agradá-lO, leiamos a Sua Palavra e ali saberemos como fazer. Se queremos um culto e uma igreja que O agrade, se quero que a minha vida seja do Seu agrado, devo abrir os meus ouvidos para aquilo que Ele tem a me dizer. É assim que O glorifico.
Aqui, a pregação de Pedro não é uma pregação amistosa. Pilatos, um ímpio, não viu nenhuma culpa em Jesus, mas o povo de Israel crucificou-O, o qual Deus glorificou. Pedro não está preocupado em agradá-los, em amenizar a situação, pôr "panos quentes"; pelo contrário, ele os está chamando de assassinos! É uma pregação dura, forte, sem subterfúgios, direta.
Versículo 14: "Mas vós negastes o Santo e o Justo, e pedistes que se vos desse um homem homicida. E matastes o Príncipe da vida, ao qual Deus ressuscitou dentre os mortos, do que nós somos testemunhas" . O apóstolo está dizendo: vocês pediram a libertação de um criminoso em lugar do Justo; vocês o mataram, mas Deus o ressuscitou.
Então, muitos de nós desejam uma pregação na qual se sintam bem, mas Deus nos dará o conforto pela Sua Palavra, a qual nos exorta, nos corrige e também nos consola. A mesma Palavra que abre uma ferida em nosso coração é a mesma Palavra que o cura, pela misericórdia do Senhor; pois o nosso Deus é aquele que age e trabalha na verdade.
Atos 4.3: "E lançaram mão deles, e os encerraram na prisão até ao dia seguinte, pois já era tarde". Os apóstolos foram então presos pelos homens do templo, pois já era tarde. Eles tinham que voltar para as suas casas, para os seus afazeres, e não podiam investigar àquela hora. Eles estavam enganados, por que não era tarde, mas cedo. Quando ouvimos a Palavra de Deus é sempre cedo, meus irmãos! Porque quando a porta da graça for fechada, Deus recolherá a Sua Igreja,e não mais será pregada a Palavra para o arrependimento; aí será tarde, muito tarde... Para todos os que estão longe de Deus por toda a eternidade será tarde demais!
Hoje é um tempo maravilhoso, mesmo que fiquemos um pouco cansados pois nossas cadeiras não são tão confortáveis como o sofá da nossa sala, ainda assim é um tempo precioso, pois podemos ouvir a Palavra de Deus, o sussurrar do Espírito Santo aos nossos corações; nos convencendo da Sua salvação, do Seu amor e bondade infinitas, da Sua misericórdia, da beleza do Senhor Jesus Cristo nosso Senhor.
Outra coisa a se meditar nesta passagem é que, nem sempre o servo de Deus terá o status de que deseja. O nosso conceito é o de que o crente anda num carrão, está rico, tem muitas posses e bens... Não há problema em se ter um carrão ou muito dinheiro. A questão é que a vida cristã não é viver no regalo, mas, as vezes, ela nos traz dor, sofrimento, tribulações; as vezes Deus permitirá que passemos por dificuldades; outras vezes, Ele, em Seu amor, criará as dificuldades pelas quais passaremos, a fim de sermos corrigidos. O salmista diz: "a sua vara e o seu cajado me consolão". E passarei por dificuldades, não por que preciso de correção, mas porque devo viver por Cristo, mas também morrer por Ele; para que o mundo veja a graça de Deus em mim.
Versículo 4: "Muitos, porém, dos que ouviram a palavra creram, e chegou o número desses homens a quase cinco mil". A pregação dos apóstolos chamava os homens ao arrependimento, a reconhecerem a sua natureza iníqua, mas a reconhecerem Cristo como Senhor e Salvador das suas vidas; porque "E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos" (At 4.12). Só há um nome que dá salvação: Jesus Cristo! Não importam as religiões e nossos conceitos religiosos, se não estamos em conformidade com a Palavra de Deus é engano e perdição para os homens. Salvação tem um nome apenas: Jesus Cristo!
Muitos creram ali. Mas porque creram? Porque a Palavra estava sendo pregada, e o Espírito Santo agia, trazendo a salvação e o temor de Deus para aqueles corações... O tempo é precioso para ser esbanjado com futilidades, inutilidades e tantas outras coisas insignificantes. E assim, negligenciamos a Palavra de Deus, negligenciamos a pregação e o chamado que Deus nos tem dado para levá-la aos perdidos.
Na sequência do cap. 4 de Atos, Pedro e João foram levados diante de pessoas importantes, a fim de serem pressionados por elas (v. 5-6), as quais os questionaram: "Com que poder ou em nome de quem fizestes isto?" (v.7). Mas o Espírito Santo de Deus estava ali, e usou a Pedro, o qual pregou-lhe no templo a Palavra de Deus... Há três coisas que vemos na vida dos primeiros cristãos:
1 - Uma vida de oração;
2 - Uma vida de estudo da Palavra;
3 - Uma vida de comunhão com os irmãos.
E nós como cristãos, se não somos homens e mulheres de oração, seremos homens e mulheres derrotados, porque o Senhor nos diz: "Sem mim, nada podeis fazer". E é através dessas três coisas que seremos usados por Deus para a Sua glória, e teremos uma igreja forte, e vidas submissas na proclamação do Evangelho de Cristo, na propagação do Seu Reino. Foi o que Pedro fez, ao não se escusar de pregar a todos aqueles homens importantes de Jerusalém a Palavra de Deus, numa clara evidência do agir do Senhor em sua vida.
Versículo 13: "Então eles, vendo a ousadia de Pedro e João, e informados de que eram homens sem letras e indoutos, maravilharam-se e reconheceram que eles haviam estado com Jesus. E, vendo estar com eles o homem que fora curado, nada tinham que dizer em contrário. Todavia, mandando-os sair fora do conselho, conferenciaram entre si, Dizendo: Que havemos de fazer a estes homens? porque a todos os que habitam em Jerusalém é manifesto que por eles foi feito um sinal notório, e não o podemos negar; Mas, para que não se divulgue mais entre o povo, ameacemo-los para que não falem mais nesse nome a homem algum". Sabe o que acontecerá? Aqueles homens não ouvirão a Palavra de Deus, e não crerão. Mas cinco mil creram, porque o Espírito Santo agirá para que os que ouvem a Palavra, e assim creiam. O mesmo Espírito Santo contudo, deixará que muitos sejam iludidos e enganados por seus próprios corações, e se percam. Porque apenas pela graça e a misericórdia de Deus podemos ver, ouvir e entender o Evangelho de Cristo, recebendo a salvação como um favor imerecido d'Ele. Que o Espírito Santo aja em nós a cada dia, nos fazendo exultar em tão grande salvação que nos é dada.
Nesta noite, quero dizer aos irmãos que a fé no Senhor Jesus Cristo é poder; poder para salvar, para curar, para restaurar e para libertar, e o que precisamos é ouvir o anúncio do poder do Evangelho que há no nome do Senhor Jesus. Amém, irmãos!

Mensagem pregada no T.B.B. em Agosto de 2008
Todos os versículos são da Almeida Corrigida e Fiel da S. B. T. B. (ACF)

domingo, 17 de agosto de 2008

ATUALIZAÇÃO DO BLOG

Em vista de alguns problemas, ficamos 2 semanas sem postar novas mensagens. No decorrer dos próximos dias estaremos atualizando o blog, e as pregações já gravadas serão digitalizadas e disponibilizadas para todos.
Perdoe-nos, e que o bom Deus nos abençoe!

sábado, 2 de agosto de 2008

CEIFAI BONS FRUTOS EM VOSSOS POMARES

Pr. Luiz Carlos Tibúrcio

A Palavra que Deus nos dá hoje está em Gálatas 6.7-8: "Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará. Porque o que semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas o que semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna".
Há duas coisas urgentes aqui, meus irmãos. A primeira, aquilo que o homem semear, isso tambem ceifará; a segunda, e não nos cansemos de fazer o bem porque a seu tempo ceifaremos... Ceifai bons frutos em vossos pomares! Regozijai-vos com a vida eterna!
Meus irmãos, as Escrituras nos alertam de que tudo aquilo que semearmos também ceifaremos. E muitas vezes, semeamos uma semente de engano e de condenação. A vida é uma sementeira, e colheremos os frutos de toda a semente que se plantar.
1Co 6.9: "Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus". Aqui o Senhor nos dá vários alertas de que aqueles que cometem esses pecados, os quais são sementes do mal que germinaram, não herdarão o Seu Reino. Não se engane, não erre, não pense que na prática desse estilo de vida você herdará o Reino de Deus. Há uma advertência confrontadora contra o pecado. Paulo, nesta carta, não fala aos pagãos como o fez aos atenienses; mas é uma admoestação dirigida a uma igreja, para que ela não erre. Ele avisa-a de que a vida cristã não é um salvo-conduto para o viver libertino, dissoluto, pois esses não estão em conformidade com a atitude de um herdeiro do Reino de Deus, ao contrário, eles estão em oposição ao proceder de um herdeiro do Reino de Deus.
Vivemos, hoje, a polêmica questão da homofobia, onde se confunde preconceito com imoralidade. A Palavra de Deus é claríssima em relação a este pecado. Primeiro, ao referir-se ao efeminado, que é um homem com atitudes femininas; segundo, à prática, ao ato homossexual; e o Senhor é específico e direto ao afirmar que os que assim agem, na devassidão, não herdaram o Reino de Deus.
Efésios 5.6: "Ninguém vos engane com palavras vãs". Voltemos um pouco antes para entender do que o apóstolo fala. Versículo 2: "E andai em amor, como também Cristo vos amou, e se entregou a si mesmo por nós, em oferta e sacrifício a Deus, em cheiro suave". Não convém ao crente ser impuro; e prosseguindo: "Mas a prostituição, e toda a impureza ou avareza, nem ainda se nomeie entre vós, como convém a santos; nem torpezas, nem parvoíces, nem chocarrices, que não convêm; mas antes, ações de graças". Ou seja, sequer devemos pronunciá-las, mantendo-nos afastados das depravações, vivendo uma vida constante de graça... Quando estamos numa atitude de graça, testemunhamos ao mundo que tudo o que temos pertence a Deus, o qual nos tem honrado como despenseiros dos Seus bens, para o Seu louvor e glória! É isso que somos: mordomos, cuidadores dos bens do Senhor. Por isso, ações de graças nos dará o entendimento correto do que somos neste mundo, e a quem pertence todas as coisas.
Paulo diz mais: "Porque bem sabeis isto: que nenhum devasso, ou impuro, ou avarento, o qual é idólatra, tem herança no reino de Cristo e de Deus". Há pessoas que não adoram imagens, mas que amam o dinheiro, amam os seus bens, são obcecadas pelo que possuem. Que ao temerem possíveis dificuldades, a chance de se chegar os dias de penúria, agarram-se ao seu patrimônio pessoal demonstram falta de fé, a desconfiança de um idólatra. Não nos enganemos, pois todas essas coisas são sementes de engano e de condenação, e os seus frutos são a morte. São atitudes profanas que refletem uma vida a semear armadilhas as quais Deus reprova, e pelas quais eles serão castigados.
Tiago 1.22: "E sede cumpridores da palavra, e não somente ouvintes, enganando-vos com falsos discursos". Se alguém ouve a palavra e não obedece está enganando a si mesmo. Não é certo enganar aos outros, nem correto levá-los ao erro, mas ainda pior é enganar a nós mesmo. Sementes de engano e condenação... Quando alguém que se diz servo do Senhor ouve a Sua Palavra e não quer obedecê-la, é como os homens aos quais Paulo descreveu a Timóteo: são homens que aprendem sempre, mas nunca chegam ao conhecimento da verdade pois resistem à verdade, sendo corruptos de entendimento e abomináveis quanto à fé (2Tm 3.7-8)... Estão enganando a si mesmos. E esta é a maior agressão que um homem pode fazer a si, deixando de praticar aquilo que tem aprendido na Palavra.
Tiago continua: "Se alguém entre vós cuida ser religioso, e não refreia a sua língua, antes engana o seu coração, a religião desse é vã" (v.26). Encontramos outra semente de engano: o homem que não refreia a sua língua. Vejam quantas advertências Deus nos dá para não sermos rebeldes à Sua Lei, e para não julgarmos. Como Deus nos orienta a uma vida dirigida segundo a Sua Palavra, para que não andemos em pecados e permitamos que eles entrem sorrateiramente em nossas vidas. Exortando nossas mentes à obediência, pois não estamos na igreja para simplesmente aumentar o nosso conhecimento. Deus quer que através da Sua Palavra nos tornemos em servos melhores, submissos à Sua vontade, a qual é santa, perfeita e justa. Há uma finalidade clara nos ensinamentos do Senhor, não é fazer com que nossas cabeças se inchem de conhecimento, mas levar-nos à obediência da Sua maravilhosa vontade em nossas vidas.
Alguns crentes acreditam que já passaram da fase de ouvir essas exortações, as quais chegam aos seus tímpanos como ofensas graves. Não, meus irmãos! As orientações de Deus são para o nosso crescimento, para a nossa edificação... O Senhor continua exortando-nos: "Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós" (1João 1.8)... Sementes de engano!
Existem algumas seitas afirmando que atingimos um grau de perfeição tal que não pecamos mais; este é um engano de satanás. As nossas vidas devem ser observadas mediante as Escrituras, e se pecamos, devemos confessá-los a Deus.
1João 3.7: "Filhinhos, ninguém vos engane. Quem pratica justiça é justo, assim como ele é justo". Somente podemos praticar a justiça pela graça de Deus, e pelo poder do Espírito Santo, porque somente o Senhor é justo! Entendamos que é preciso uma dependência total de Deus, pois é Ele quem opera a Sua graça em nossas vidas, desviando-nos do mal. Muitas vezes o Senhor nos deixará passar por tribulações para percebermos que somos dependentes d'Ele. E Ele tem nos justificado, contudo, a Sua justificação não é uma licença para se viver em pecado, antes, é a permissão para vivermos segundo a Sua vontade. "Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres" (Jo 8.36). Graças a Deus por isso!
Provérbios 1.31: "Portanto comerão do fruto do seu caminho, e fartar-se-ão dos seus próprios conselhos". Neste mundo, ao semearmos, sabemos o que desejamos colher. Um lavrador não lança à terra uma semente ruim, de maneira alguma ele semeará uma herva daninha, mas ele plantará uma semente desejando obter frutos para o seu sustento. Contudo, ele não tem a garantia de que a semente vingará e de que colherá bons frutos. A vida cristã porém é diferente. Aquilo que semearmos isso colheremos. Salomão nos diz que os homens que não aceitaram a repreensão comerão dos frutos dos seus próprios caminhos maus e tortuosos.
Provérbios 6.14: "Há no seu coração perversidade, todo o tempo maquina mal; anda semeando contendas. Por isso a sua destruição virá repentinamente; subitamente será quebrantado, sem que haja cura". Que advertência, meus irmãos! As Escrituras não dizem que ele semeou mas que ele anda semeando. O homem que vive na impiedade, na depravação, em pecado constante, não se arrependendo do que faz e tenaz em rebelar-se contra Deus, esse homem será destruído, sem que haja cura.
Mateus 7.17: "Assim, toda a árvore boa produz bons frutos, e toda a árvore má produz frutos maus. Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons. Toda a árvore que não dá bom fruto corta-se e lança-se no fogo. Portanto, pelos seus frutos os conhecereis". A Palavra de Deus nos apresenta a impossibilidade da árvore boa dar maus frutos, nem a árvore má dar frutos bons. Assim é na vida espiritual. Se nossas vidas estiverem no Senhor, produziremos frutos de justiça. Não depende tanto da árvore, depende da raiz, que é o Senhor. Depende daquele que sustenta a árvore que é o Senhor. Ainda que a nossa natureza queira realizar o mal, a graça de Deus nos impede e nos protege, levando-nos pelo caminho da justiça, na qual sendo guiados, mesmo que o nosso coração deseje nos guiar no mal, temos o gozo de saber que o Senhor não consentiu que os meus pés escorregassem. Como o salmista diz, quase os meus pés escorregaram, mas o Senhor não permitiu, firmando-me os passos, colocando-me sobre a Rocha. Amém, irmãos!... E toda a árvore que não dá bons frutos é cortada e lançada no fogo. Há um destino certo para a árvore que produz maus frutos: ela será queimada!
Irmãos, que frutos produzimos? Que tipo de árvore somos? Nosso destino é ser queimado? Estas são perguntas que devemos nos fazer diariamente.
Versículo 22: "Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade". Eles ouviram a Palavra de Deus, sentaram-se na congregação dos santos, mostraram sinais, expulsaram demônios, fizeram a obra do Senhor, mas a sua vida era uma vida de iniquidade. Precisamos da graça do Altíssimo para vivermos cada dia segundo a Sua vontade, vivendo cada dia para Ele.
Voltemos a Gálatas 6.7: "Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará". De Deus não se zomba! A Palavra é clara: "Porque o que semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas o que semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna". Há os que semeiam na carne: contendas, devassidão, corrupção... ceifarão condenação, ceifarão a destruição. Há os que semeiam para o Espírito; as sementes do Espírito são os Seus frutos: "amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança" (Gl 5.22)... Quantas vezes como cristãos somos tentados a agir sem amor, ser duros, críticos, tentados à infelicidade... Têm cristãos que não testemunham os frutos do Espírito. São crentes de caras fechadas, como se o mundo estivesse para demoronar a qualquer momento, sem paz, não a que provém das circunstâncias da vida, mas a paz que vem da certeza e da confiança de que o Senhor é fiel, misericordioso e cuida de nós... Longanimidade que é a paciência, quando em muitas situações sofremos injurias, perseguições daqueles que são ignorantes da fé... Benignidade que é parecido, mas um pouco diferente de ser bondoso, é estar sempre disposto a agir com atitude de bondade para com todas as pessoas... Fé, mansidão, temperança. São os frutos na vida do cristão, que devemos semear para com todos em nossa vida, testificando o caminhar pela fé no Senhor.
Gálatas 6.9: "E não nos cansemos de fazer bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido". Porque o apóstolo está dizendo isso aos gálatas? Porque viver assim, é viver contra todo o tipo de oposição. Por isso, somos exortados a não descansar, e não nos cansar de fazer o bem.
Romanos 2.10: "Glória, porém, e honra e paz a qualquer que pratica o bem; primeiramente ao judeu e também ao grego; porque, para com Deus, não há acepção de pessoas". O mesmo Senhor que nos capacita a viver de uma forma que O agrada (mas que é boa para nós e nossos semelhantes), Ele também nos promete recompensas maravilhosas: glória, porém, e honra e paz a qualquer que pratica o bem. Interessante que muitos de nós temos instrução e entendimento da Palavra, mas insistimos em viver em oposição a ela, e esperamos colher bons frutos. Como podemos viver em rebeldia à Sua Palavra e esperar ter glória, honra e paz? É possível? Não! É preciso que primeiramente pratiquemos o bem, em obediência ao Senhor.
Paulo inicia com a promessa de glória, e não paz ou honra. Foi assim que aconteceu no Éden, quando o homem caiu da graça de Deus. Ele perdeu primeiro a sua glória, sua honra e a paz, pois todas elas nos são acrescentadas em submissão à vontade do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
Será que poderemos desfalecer? Nos cansar? Mateus 24.12, diz: "E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará". Será que a prática da iniquidade esfriará o nosso amor? Nosso zelo para com o Senhor? A nossa resposta somente poderá ser uma: não! Porque nada poderá nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus nosso Senhor, "Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor".
2Co 9.6: "E digo isto: Que o que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia em abundância, em abundância ceifará". Paulo está nos falando aqui especificamente sobre a questão da contribuição na igreja. O Senhor nos ensina que dando nos será dado, uma medida recalcada, transbordante e sacudida. Estamos semeando bondade e justiça em abundância? Será que semeamos aquilo que nós mesmos iremos colher? "Se dissermos que não temos pecados, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós".
No Salmo 139. 23-24, encontramos a sabedoria: "Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece os meus pensamentos. E vê se há em mim algum caminho mau, e guia-me pelo caminho eterno".
Ceifai bons frutos em vossos pomares; regozijai-vos na vida eterna!



Sumário da mensagem pregada em 20 de Julho de 2008, no T.B.B.
*Todos os versículos são transcritos da Bíblia Almeida Corrigida e Fiel da SBTB(ACF)